Prefeito mantém silêncio sobre o caso.

A Procuradoria Geral da República (PGR) denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) os irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima por lavagem de dinheiro e associação criminosa. O ex-ministro e o atual deputado estavam sendo investigados desde a descoberta dos 51 milhões em apartamento em Salvador, em 05 de setembro deste ano. A Polícia Federal associa o montante a esquema de desvio conduzido pela família Vieira Lima desde 2010, envolvendo créditos da Caixa Econômica.

Além dos irmãos, Lúcio e Geddel Vieira Lima, outros quatro nomes ligados a eles são investigados, como é o caso da mãe, Marluce Vieira Lima; e ex-assessores, Job Ribeiro Brandão e Gustavo Pedreira do Couto Ferraz, além do empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho. Apesar da gravidade dos crimes cometidos, a Procuradora Geral da República indicada por Michel Temer, Raquel Dodge, recomendou somente a prisão domiciliar para Marluce e o recolhimento noturno de Lúcio. Geddel segue preso.

Se a notícia de corrupção envolvendo a família Vieira Lima não chocou muito a população em geral, preocupou o prefeito de Serrinha, Adriano Lima (PMDB), aliado político dos dois criminosos acusados. De acordo com informações de bastidores políticos, Adriano já pretendia usar de sua influência política local para abrir espaço eleitoral para os irmãos em Serrinha nas eleições do próximo ano.

Não faz muito tempo, Adriano Lima chegou até a anunciar a participação de Lúcio Vieira Lima na destinação dos recursos para reforma das rodovias que ligam Serrinha aos demais municípios da região do sisal, buscando vincular o acusado ao desenvolvimento da infraestrutura de Serrinha. O prefeito até agora não se posicionou sobre sua interpretação a respeito da acusação sobre os irmãos Vieira Lima, dada a gravidade das acusações.

 

Compartilhar