Jéferson Batista Andrade  é acusado de enriquecimento ilícito.

A oposição ao prefeito de Madre de Deus na Câmara Municipal de Vereadores segue irredutível. Os vereadores Val Peças (PSL), Juscelino Silva (PPS) e Kikito Tourinho (PPS), protocolaram na última semana mais um pedido de afastamento do prefeito do exercício do cargo de chefe do executivo.

Jeferson Batista já responde por denúncia de “enriquecimento ilícito” feita pelo Ministério Público da Bahia, através da promotora, Rita Tourinho (MP-BA), denúncia na qual o prefeito é associado a esquema que teve início em 2010 e que fora decisivo para sua chegada ao poder. A manobra envolvia criação de cargos comissionados, superfaturamento de contratos, acréscimos salariais ao Legislativo Municipal e até distribuição de combustível de forma irregular para vereadores locais.

Na nova denúncia protocolada, os vereadores da oposição pedem o afastamento e perda dos direitos políticos de Jeferson em caráter imediato, já que a permanência dele e de seus aliados em seus respectivos cargos compromete o andamento das investigações em curso. Os vereadores chegam a afirmar que tem havido “ocultamento de provas” na Câmara por influência de Jeferson.

A denúncia, caso acatada, pode comprometer de vez o destino político de Jeferson Andrade, que já vive uma de suas piores crises de popularidade, sustentando baixíssimo índice de aprovação entre a população. Mas o prefeito não é o único afetado. Aliados diretos, como seu secretário de governo, Nilton Bastos, também correm risco, já que, neste caso, além de braço direito do acusado, é também pré-candidato a deputado estadual.

Os vereadores da oposição prometem seguir firmes na denúncia, ainda que sob forte pressão dos aliados de Jeferson e o que chamam de sua “quadrilha”.

Compartilhar